Total de visualizações de página

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Introdução à bicha fina

Fonte: Por João Silvério Trevisan

Sair do armário equivale a descobrir um novo continente, tanto dentro de nós quanto na sociedade. Outro dia duas lésbicas me contaram como, no começo do relacionamento que mantêm há anos, não tinham com quem conversar quando brigavam, desprovidas que estavam de parâmetros sobre mulheres vivendo conjugalmente. Como essa, existem milhares de situações na vida homossexual que parecem inéditas, graças à invisibilidade e ao estigma. Aí se inclui a atitude que devemos manter em público, para além do estereótipo mais visível da bicha desmunhecada. Tal busca de identidade pública provoca experimentações discutíveis. Tanto que, em certos ambientes gueis, às vezes me pergunto se não estou num outro planeta.

Isso me aconteceu há pouco, no supermercado do shopping Frei Caneca, lotado de homossexuais. Havia um clima irrespirável, de tanta arrogância e vaidade das bichas que desfilavam por ali. E não foi a primeira vez que senti isso no Guei Caneca. É assustador que um espaço conquistado pelos homossexuais tenha se tornado mera passarela para um estilo de vida fútil e exibicionista. No supermercado, imperava o carão. Ninguém se olhava, pois com certeza todos estavam ali para serem olhados. (Ora, se ninguém olha pra ninguém, qual a graça de desfilar?) Tratava-se sobretudo de exibir músculos bem trabalhados, mal cobertos por camisetas da moda. Parecia um séqüito de aristocratas exalando um ar enfadado de quem mal suporta repartir espaço com a desprezível plebe.

Empurrando seus carrinhos de supermercado como tronos ambulantes, olhavam os produtos quase com desprezo. No esforço de não desmunhecar, seus gestos resultavam rígidos, controlados e calculados. O cuidado com a discrição era tal que se confundia com mau humor. Conversava-se à base de monossílabos, sobretudo os casais, que pareciam ostentar sua condição conjugal com o subtexto: "Vejam como casei bem". Aliás, os únicos a conversar com naturalidade ali eram alguns jovens casais héteros, que agiam sem disfarces e totalmente à vontade. Na fila do caixa, prestei atenção numa bicha que, apesar da falta de charme e da voz de taquara rachada, parecia ter incorporado a princesa Diana. Demorei até perceber que ela estava se sentindo a Diana graças aos seus óculos azuis de grife, nos quais certamente gastara metade do salário. Lembrei dos 10 anos em que morei nos Jardins, um dos bairros mais esnobes de São Paulo. Pois bem, no Shopping Frei Caneca eu parecia estar diante de uma versão guei das madames dos Jardins, desfilando suas roupas da moda, exceto que no lugar do nariz empinado por sucessivas plásticas ali desfilavam músculos trabalhados a peso de ouro. Então minha pergunta inicial poderia se inverter: não estariam tais homossexuais vivendo em outro planeta?

Essa espécie de praga social, que se espraia entre a comunidade guei, inscreve-se na velha "síndrome da bicha fina". Anos atrás, bicha fina banhava-se em perfume francês, coisa que caiu de moda, para não dar bandeira. Hoje, bicha fina é "discreta", musculosa, usa roupas de grife e faz carão. O carão, que virou estilo de vida para muitos gueis, é um cacoete que funciona como gesto de auto-afirmação: devo ser olhado porque sou especial, enquanto os outros são desprezíveis demais para merecer meu olhar. Nesse clima, é inevitável que os ambientes gueis se caracterizem por uma verdadeira guerra de egos acirrados. Em conseqüência, eclode um problema recorrente em muitos homossexuais: a mitomania, ou tendência mórbida de mentir. Por se julgarem com defeito de fabricação, muitos homossexuais tentam se "consertar" através do engrandecimento exasperado: inventam mentiras para se valorizar.

O mais notável mitômano que conheci na minha juventude foi um rapaz que alardeava ser descendente da casa real portuguesa e ter sido amante do rei da Bélgica, entre outras pérolas. Na vida real, ele nunca saíra do Brasil, e seu pai era comerciante num bairro de baixa classe média de São Paulo. Nessa época, bichas mitômanas eram casos esparsos, parte do folclore guei e motivo de gozação. Hoje, parece que a mitomania tornou-se uma qualidade e se generalizou. Nos chats gueis da net, todo mundo vende imagem de lindo, sarado, viril e tem pelo menos 20 cm de pau. Um verdadeiro olimpo de deuses – que não sobrevive ao primeiro encontro. Ora, toda essa mania de grandeza significa um esforço de afirmação que resulta de uma auto-estima periclitante. Tentando barrar um impulso de rejeição, a bicha fina mascara-se como personagem grandioso, e busca ser outra pessoa através de mentiras megalomaníacas. Com isso, foge da sua (dura) realidade.

Acredito que o meio homossexual vive hoje uma espécie de engenharia identitária, no esforço de construir publicamente aquilo que antes vivia oculto. Nessa ótica, o Shopping Gay Caneca tornou-se um grande laboratório identitário, onde gueis testam uma imagem pública que parte de premissas equivocadas. Do homossexual invisível e sem rosto de antes, passamos à construção de uma espécie de super-homossexual – quem sabe o Super 24 – de músculos exuberantes e corpo depilado, cujo ideal máximo é a discrição, para atingir um padrão de aceitação social. A moda da depilação masculina indica uma forma narcisista de ressaltar a musculatura, mas também uma obsessão com a higiene.

O componente de vaidade auto-afirmativa passa por uma variante do tipo: "sou bicha, porém limpinha". Levada às últimas conseqüências, essa compulsão higienizante talvez sonhe em adicionar à merda um cheiro mais atraente, conforme o dia e a hora: hoje vou cagar odor Kenzo, mês que vem cagarei Chanel 5 (em homenagem à Marilyn Monroe), etc. Afinal, não é impunemente que homossexuais passam pela barreira do preconceito.

No interior de São Paulo, um dos apelidos mais cruéis que conheço é o de "besouro", para homem que gosta de comer viado. É que besouro curte merda. A associação entre homossexualidade e sodomia leva imediatamente à fantasia da sujeira (nos documentos antigos, um dos sinônimos de viadagem era justamente "sujidade"). Portanto, o fenômeno da bicha fina não caiu do céu. Resulta do estigma e da parca experiência que nós homossexuais temos para superá-lo através de uma identidade social. Repito: para nós tudo é muito novo, no sentido de compreender nosso espaço no mundo, então estamos ensaiando várias maneiras de "ser" socialmente.

O engraçado, para não dizer irônico, é que no caso da bicha fina, sai-se da invisibilidade diretamente para o exibicionismo. Da total ausência social, chegamos à anomalia coletiva do carão. O resultado é um desfile de egos trôpegos, à procura de si mesmos, como no Shopping Gay Caneca. Se alguma coisa está desfilando ali é a falta de aceitação de si mesmo. A bicha fina tenta afirmar fora de si alguma coisa frágil dentro de si. Em resumo: não gosta do que é. Trata-se de uma velha conhecida, causa de todo conflito de aceitação: a homofobia internalizada. Se historicamente homossexuais acostumaram-se a viver escondidos, está mais do que na hora de mostrar a cara. Sem medo. E sem carão, por favor. Nossa identidade social nasce da verdade pessoal que construímos interiormente. E não de máscaras trocadas conforme a conveniência, pra parecer bacana.

6 comentários:

  1. CARALHO, PARABÉNS pelo texto e pela divulgação. Resume muitíssimo bem o que penso e o que venho discutindo com outros há tempos.

    É que os países iberodescendentes têm esse ranço católico de que ser guei é pecado e sujo. E o que aconteceu foi realmente isso: passou-se da artificialidade do esconderijo para a da passarela — ambas crueis para com quem experimenta desfilar ou assistir... Tenho visto comportamentos héteros de homens que estão aos poucos experimentando sua sexualidade muito mais tranquilamente que outrora, falando de seus contatos com outros homens sem que isso afete sua heterossexualidade. Vislumbro a hora em que eles darão um banho, vivendo mais plenos e conscientes do que são, enquanto os viadinhos bombadinhos ainda adotarão uma atitude preconceituosa dentro do preconceito.
    Até lá, esses pavões-perdizes ainda arrotarão a máxima materialista "o que a natureza não dá, o dinheiro compra", vestindo-se de músculos em caríssimas academias da muóda e malhando suas camisetas, calças e cuecas de marca em ralas furtivos com entregadores de pizza.

    ResponderExcluir
  2. E também há a tendência de tentar agregar valores a si, usando os subterfúgios que você muito bem disse no texto, numa tentativa vã desses valores impregnarem os egos, porém somente evidenciando a falta de valor e a fragilidade desses egos. Gostei do texto! Abraço!

    ResponderExcluir
  3. esses dias eu fui no cine Republica e até ali onde parece que jogaram uma bomba Atomica,uma filial do inferno, cheiro de cheque no ar, tinha uns boyzinhos fazendo o maior carão só pq ali só tem bicha fragelada, esculambanda e suja... Dá licença fazer carão dentro de cinemão é uó....

    ResponderExcluir
  4. eU PRECISO DE UM COMPANHEIRO!!!!!!!!!1

    ResponderExcluir
  5. EU PRECISO DE UM COMPANHEIRO!!!!!1


    PAULINHO ROLA SIM QUE É VIADO HUMILDE. ADoro aquela bicha!!!!!!!!!!1

    ResponderExcluir
  6. Ótima matéria! Já havia lido anteriormente e lamento este tipo de comportamento. E afirmo sem ousadia, está ficando pior! Nos sites de relacionamentos como o facebook, os egos, as vaidades e as futilidades imperam mesmo! Os ditos "sarados", que precisam postar fotos sem camisa, exibindo o resultado de tanta malhação, com legendas sinalizando que estão saindo para academia#Partiu Academia... Isso é moda? As boates viraram vitrines, mercado de carne, afinal, o que interessa é exibir corpo pra ter outro corpo, tão bom quanto o seu, na cama. Gosto, acho bonito, mas isso não é critério para se aproximar de outros, pelo menos não pra mim. Acho que cabe usarmos o termo Antropocentrismo no contexto gay. E os carões? Fui pessimamente atendido em uma loja de telefonia, por uma bicha que fazia carão o tempo todo. Saí de lá sem resolver meu problema...Na época em que a maioria ainda se interessava pelo outro, propriamente dito, em conheçer o outro pelo o que era "oculto" o flerte era mais gostoso,eramos mais seguros e as pessoas se amavam mais e amavam mais umas às outras e o relacionamentos eram mais sólidos... Sou muito critico a isso.

    ResponderExcluir